img1582 Notícias
Aos 17 anos, Monick abriu as portas da Universidade com a medalha de prata que conquistou na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas
Data da publicação: 18/02/2020

Monick com os pais na primeira visita ao ICMC (crédito da imagem: Reinaldo Mizutani)

 

Ela sempre estudou em escolas públicas. Aos 17 anos, conquistou uma vaga na USP e não precisou sequer se inscrever no vestibular ou no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Bastou Monick Pereira Zeitounian preencher as informações em um formulário online e comprovar a conquista da medalha de prata na 15ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP).

“Eu preenchi as informações sem acreditar que seria possível conquistar uma vaga”, contou a estudante na primeira visita que fez ao Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, dia 19 de dezembro de 2019. Ela veio com a mãe, a arquiteta Renata Fernanda Pereira, conhecer o campus, conferir a infraestrutura oferecida pelo Instituto e verificar a distância que percorrerá toda a vez que quiser matar a saudade dos pais, que vão continuar morando em Itapevi, a cerca de 230 quilômetros de São Carlos. “É um passo importante: ela vai ganhar o mundo, ela merece”, ressaltou a mãe.

Desde segunda, 17 de fevereiro, Monick já está participando das atividades da Semana de Recepção aos Calouros do ICMC. Aluna do curso de Matemática Aplicada e Computação Científica, a garota sabe muito bem o caminho que deseja seguir: “A única coisa que penso agora é que quero trabalhar com pesquisa e me tornar uma doutora”.

 

 

Monick e os pais participaram na segunda, 17 de fevereiro, da abertura conjunta da Semana de Recepção aos Calouros no salão de eventos do campus da USP, em São Carlos (crédito da imagem: Denise Casatti)

 

Meninas nas exatas – Determinada, Monick sempre se interessou pela área de ciências exatas. O pai, que é Engenheiro Eletricista, incentivou as duas filhas, desde muito pequenas, a descobrirem o mundo brincando com Lego, montando robôs, desenvolvendo aplicativos: “Comecei a programar usando a linguagem C há muito tempo”.

O estímulo e o incentivo do pai e da mãe para que as filhas desenvolvessem novos conhecimentos em diferentes áreas do saber – desde matemática, robótica, até artes plásticas – levaram Monick a compreender que as ciências exatas, tal como as demais ciências, são um lugar propício para pessoas de todos os gêneros. “Eu conheço meninas que falam: engenharia para mulher não rola”, diz a garota.

Ainda bem que, para a nova aluna do ICMC, nunca houve essa barreira: “Eu quero ser uma mulher influente. O que é isso? Ser uma mulher que não depende de outras pessoas, que estuda por si mesma porque gosta do que faz”. A irmã de Monick também escolheu o caminho das ciências exatas: conquistou uma bolsa integral e está cursando Engenharia de Produção em uma universidade particular na cidade de São Paulo.

 

 

 Nesta segunda, dia 17, os pais da estudantes participaram de um bate-papo no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano do ICMC voltado a todos os pais dos calouros. A conversa foi conduzida pelo professor Thiago Pardo, presidente da Comissão de Graduação do Instituto, e pela professora Sarita Bruschi, que coordena as atividades de recepção aos calouros no ICMC (crédito da imagem: Denise Casatti)

 

 

Incentivo na escola – Não foram apenas os pais de Monick que desempenharam um papel fundamental na trajetória da garota, ela também contou com o apoio de Cláudia Chaves, professora na unidade Brasílio Flores de Azevedo (Jardim Belval) da Fundação Instituto de Educação de Barueri (FIEB), onde Monick concluiu, no fim do ano passado, o curso técnico em informática.

Na escola, a professora coordena o Projeto de Iniciação Científica (PIC) da OBMEP, que propicia aos estudantes premiados ou que recebem menção honrosa na competição realizarem diversas atividades para ampliarem o conhecimento. Um dos benefícios do PIC é despertar a vocação científica nos jovens ao aprenderem a lidar com problemas desafiadores de matemática.

Segundo Monick, a conquista da medalha de prata na OBMEP só foi possível porque, nas edições anteriores da competição, ela ganhou menções honrosas e ingressou no PIC. Aliás, a garota participa da OBMEP desde o sexto ano do ensino fundamental. No ano passado, por exemplo, ela fez cursos abordando conteúdos como cálculo diferencial e lógica.

Nem Fuvest nem ENEM – Em 2019, foi a primeira vez que a USP abriu a possibilidade de ingresso direto na graduação para quem participa de olimpíadas acadêmicas nacionais e internacionais. No total, foram criadas 113 vagas adicionais em 60 cursos de graduação oferecidos por 20 diferentes unidades de ensino e pesquisa, localizadas em São Paulo, Ribeirão Preto, Piracicaba, Lorena e São Carlos.

A seleção foi realizada de acordo com um sistema de pontuação que tinha como base, no caso de uma competição nacional, a medalha obtida pelo aluno. Já nas olimpíadas internacionais, a mera participação garante pontos. Cada unidade da USP definiu quais olimpíadas aceitaria na seleção e qual pontuação mínima seria exigida em cada curso.

O ICMC foi a unidade do campus da USP, em São Carlos, que disponibilizou o maior número de vagas para ingresso pela nova modalidade, 15 no total, cinco para cada um desses cursos: Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica, no qual Monick ingressou; Bacharelado em Ciências de Computação; Bacharelado em Sistemas de Informação; Bacharelado em Estatística e Ciência de Dados; e Matemática (depois de concluir o ciclo básico, o aluno escolhe a Licenciatura ou o Bacharelado).

“Optamos por oferecer três vagas adicionais em cada um desses cinco cursos de graduação, que era o máximo permitido para este ano. Dependendo do interesse dos alunos e também da aprovação do Conselho de Graduação da USP, a oferta de vagas poderá ser ampliada no futuro”, conclui a professora Sarita Bruschi, vice-presidente da Comissão de Graduação do ICMC.

Ao ampliar o acesso direto à Universidade para quem participa de competições científicas, a USP está estimulando o engajamento dos jovens em atividades desafiadores antes mesmo que eles se tornem alunos de graduação. Monick é um dos 55 mil estudantes premiados pela OBMEP em 2019. Imagine quantas outras histórias de sucesso existem nesse universo e entre os premiados pelas diversas outras competições nos mais diferentes campos do saber. Reconhecer o esforço desses jovens é uma excelente ferramenta para despertar, cada vez mais cedo, o encanto pela ciência e reduzir a desigualdade de gênero nas exatas.

 

"Eu quero ser uma mulher influente. O que é isso? Ser uma mulher que não depende de outras pessoas, que estuda por si mesma porque gosta do que faz”, diz Monick (crédito da imagem: Reinaldo Mizutani)

 

 

Texto: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação do ICMC/USP

Mais informações
Veja as regras para ingresso na USP via competições do conhecimento: www.fuvest.br/ingresso-usp-competicoes
Veja quais olimpíadas foram aceitas nos cursos da USP em 2019: www.icmc.usp.br/e/06eab
Saiba a pontuação exigida por cada curso em 2019: www.icmc.usp.br/e/d49af
Site da OBMEP: www.obmep.org.br
Reportagem sobre a inserção feminina na área de ciências exatas: Elas estão rompendo as barreiras das Exatas

CONECTE-SE COM A GENTE
 

© 2020 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação